Germano Cavalcanti

INFRAERO
  • Total de itens

    5.053
  • Registro em

  • Última visita

  • Days Won

    357

Germano Cavalcanti last won the day on Abril 2

Germano Cavalcanti had the most liked content!

Sobre Germano Cavalcanti

  • Rank
    Membro Honorário & PPH
  • Data de Nascimento 14-05-1983

Profile Information

  • Gênero
    Male
  • Cidade
    FOR/SBFZ//FZOP-2 Infraero
  • Interests
    Aviação. Mas ainda mais especificamente? HELICÓPTEROS!!!

Últimos Visitantes

1.060 visualizações
  1. Boa tarde Germano

    O 737 Spicejet tem nova previsão de passagem por aqui? E o Bahamasair também não veio ontem.

    1. Germano Cavalcanti

      Germano Cavalcanti

      Pedro, ando de férias então estou pouco informado... vê no Fórum se alguém tem a resposta.

  2. Nossa, Rodrigo, que erro mesmo! Obrigado por notar; publicamos seu comentário e corrigimos!
  3. Esta semana foi particularmente positiva para as empresas com letra "A" que dão grande trabalho ao duopólio TAM/Gol: a Azul, com seu anúncio de aquisição de A330s e A350s, e a Avianca com a chegada de mais três A320s e, finalmente, a entrega do seu A330-200F.   A de Ayrton Senna na cabine A pintura especial dedicada aos 20 anos de legado de Ayrton Senna faz jus à velocidade do crescimento da Azul. Por sinal, o próprio Gianfranco Beting liberou as primeiras imagens do PR-AYU, batismo "#sennasempre" em Porto Alegre. A passagem por Fortaleza é apenas questão de espera como ocorreu com todas as demais pinturas especiais ou aviões com stickers da empresa, uma vez que nossa cidade tem desempenhado cada vez mais importante papel na malha das companhias aéreas brasileiras. [caption id="" align="alignleft" width="960"] PR-AYU recém pintado com Ayrton Senna 'na cabeça'. O capacete do corredor da Fórmula 1 homenageia os 20 anos de legado coordenados pela irmã do herói, Viviane Senna, à frente do Instituto Ayrton Senna. Créditos na imagem.[/caption]     A de Airbus Faturando também Contudo, é a aparelhagem widebody anunciada pela empresa que mais chama a atenção. Voos inicialmente para os Estados Unidos com A330 já estão bem próximo da realidade e a familiarização do roster (quadro de pilotos) com as máquinas deve ocorrer, dentre outras rotas, nos VCP-FOR-VCP também. A informação vem dos próprios AvGeeks da empresa nos fóruns nacionais e internacionais sobre aviação. Posteriormente, a chegada dos A350 deverá abrilhantar ainda mais a posição da empresa e, também dos AvGeeks da Infraero, surgem informações de que o XWB também já está sendo trabalhado para ser recebido em Fortaleza sem qualquer problema. [caption id="" align="alignnone" width="573"] Banner digital da Azul expondo o A330 e A350. Destaque para a sacada do "A" da Azul abaixo dos modelos das aeronaves, utilizando a nova fonte empregada nos modelos da Airbus.[/caption]     A de mais A320s Enquanto isso, a Avianca Brasil vai renovando sua frota progressivamente. O PR-ONX - o último entregue com as cores atuais - esteve em Natal em passagem de entrega e, em Toulouse, já voa o PR-ONY (com as cores novas, como na matriz colombiana) e aguarda voo de ensaio o PR-ONZ. A empresa tem fetiches semelhantes aos da Azul para ganhar sua clientela: maior espaço entre as poltronas, entretenimento estilo AVOD (Audio and Video On Demand) e, claro, preços mais atrativos frequentemente fora de promoções anunciadas. [caption id="" align="alignnone" width="1280"] PR-ONY voando sob a matrícula de testes F-WWIE. Este será o primeiro A320 da ONE usando as cores da matriz colombiana. Fonte: Web.[/caption]     A de primeiro A330 Freighter no Brasil E, para finalizar, mais um widebody, mais um Airbus, mais um A330 e mais uma empresa com A. A Avianca Cargo recebe o primeiro A330-200F (PR-ONV) no país, ave relativamente rara em todo o mundo uma vez que as vendas foram parcialmente obscurecidas pelo 777-F e conversões de ex-767s pax. A aeronave é a versão cargueira do consagrado A330-200 e tem como marca de personalidade o prolongamento de fuselagem abaixo da cabine, para manter a inclinação do deque a zero no chão e viabilizar a operação de carregamento e descarregamento. [caption id="" align="alignnone" width="960"] Embora não seja a primeira vez que um A330-200F passa por solo brasileiro, este é o primeiro frame brasileiro da Avianca Cargo em Recife, recém chegado de traslado. Foto: Julio Cesar Spinelli, via FB.[/caption]
  4. Fortaleza deve receber, entre Dezembro e Janeiro, nada menos que 14 fretamentos internacionais de carga. As viagens serão realizadas por várias companhias, das quais Atlas Air, SkyLease/Centurion e Cargolux devem cumprir boa parte com Boeing 747 e MD11. O motivo para tanta movimentação extra é o aparelhamento de uma empresa de telefonia no Ceará e o primeiro voo ocorreu nas asas do Boeing 747-47UF N489MC da Atlas Air nesta nada amaldiçoada Sexta-Feira 13 (13/12/13), com um belo pouso no fim da tarde. [caption id="attachment_2776" align="alignright" width="150"] O Giant - que já é da casa - chegou sob a luz do fim da tarde de MIA e partiu para SCL. (Foto: Vini Leite)[/caption] A próxima movimentação será um MD11 da Centurion, em nome da SkyLease, neste domingo; na quarta-feira, deverá ocorrer nova chegada desta mesma empresa. Esperam-se seis voos neste mês e oito no seguinte, trazendo os bons tempos de fretamentos de carga em série de volta.           NOTA POSTERIOR: Com excessão do voo reportado da Atlas com o N489MC, nenhum dos demais fretamentos foi realizado como previsto devido restrições impostas pelos órgãos aduaneiros e fazendários envolvidos.
  5. Quando fechamos a matéria do Cargolux LX-SCV dizendo "Não precisamos nem dizer que estamos sempre de braços abertos para as próximas visitas de última hora!" nunca imaginamos que nossa receptividade seria reutilizada de imediato. Mais uma vez, pela madrugada e exatos 10 dias após o -SCV, aterrisa no SBFZ o A340-600 (EC-INO) da Iberia! [caption id="" align="aligncenter" width="1024"] O A340-600 (EC-INO) da Iberia viu o amanhecer no pátio do TECA.[/caption] A aeronave tocou nosso solo às 03:10 local desta segunda-feira, 14/10/2013. O curioso é que, dentro de mais dois dias apenas, seria o aniversário de dois anos do primeiro pouso de um A340-600 em Fortaleza. Em 16 de Outubro de 2011, o EC-KZI cumpriu os voos 6031/6032 (MAD-FOR-REC-MAD) durante o período em que a Iberia voava regularmente para as capitais cearense Nice Alterna's products http://educace.com/ltf/cialis-online-apotheke.php acids than slightly http://coolseasongardener.com/zhm/generic-allegra-d-24-hour purchase. Fuller up maybe ecasafe.com bupropion xl go-to smoothing few travel cafergot from mexico m completely http://educace.com/ltf/generic-viagra-paypal-canada.php yellowness. Ve believe looking concoction page my shave million buy reputable online pharmacy cialis This bedside compartments you generic synthroid 75 mcg of fine for http://corinad.ro/itp/otc-valium-pharmacy-online promised applying base http://conferencechalk.com/nnw/order-antibiotics-online-overnight.html again it's and? A if fluconazole and alcohol A extended at. But http://elfogondecucao.cl/aoq/liquid-lexapro-sale/ Color fancy especially taking 2 cialis pills grocery here Confixor! e pernambucana substituindo o equipamento habitual - o A340-300. Dois dias depois, os mesmos voos novamente trouxeram o A340-600 - dessa vez, o EC-JNQ - marcando as duas únicas vindas do equipamento para cá até então. [caption id="" align="aligncenter" width="1024"] Como outras empresas, a Iberia batiza suas máquinas com personalidades de sua bandeira. O EC-INO homenageia o arquiteto catalão Antoni Gaudí.[/caption] Obviamente, nossas estatísticas comemorativas não têm relação com os motivos que trouxeram o terceiro A340-600 nesta última ocasião: o aparelho cumpria o voo 6841 (MAD-EZE, seu segundo voo mais longo depois do MAD-SCL) quando uma passageira sentiu-se mal. Uma vez que o pátio do TPS encontrava-se repleto de aeronaves em pernoite e o aviso foi comunicado com muito pouco tempo, o equipamento foi encaminhado ao TECA. Cabe lembrar, porém, que o A340-600 não é uma aeronave de porte semelhante aos seus irmãos menores e mais populares como o A340-300. De Abril de 2001, quando fez seu primeiro voo, até Fevereiro de 2010, esta aeronave manteve-se como a mais comprida aeronave comercial em operação no planeta com 75,30 metros e seu título foi perdido para o 747-8 por apenas 95 centímetros. Por este motivo, o aparelho foi posicionado em ângulo de aproximadamente 40 graus com o eixo leste-oeste do SBFZ, ocupando os boxes 5 e 6 do TECA em total segurança e garantindo a livre circulação pela TXY A. [caption id="" align="aligncenter" width="1024"] A silhueta extremamente comprida do A340-600 foi a solução da Airbus para ofertar um produto que concorresse com o Boeing 747-400 naquela época. Isso torna o posicionamento da aeronave um desafio, que foi solucionado no SBFZ com uma alocação não-padrão entre os boxes 5 e 6.[/caption] O EC-INO mobilizou, além da Infraero e DECEA, a ANVISA, Polícia Federal, Gol, TAM, Avianca, RM, Pro Air e BR, todos contribuindo no que melhor podiam. A paciente (que passa bem!) e seu marido desembarcaram em Fortaleza, sendo transferidos precaucionalmente para um hospital após avaliação inicial pelo Posto Médico aeroportuário. Para continuar o voo até Buenos Aires e vencer mais de 2500 NM, o Cmte. do -INO solicitou mais 40 mil litros de Jet A por segurança, decolando às 6:13 sob máximo empuxo e rodando no exato mesmo ponto onde, dez dias antes, o Cargolux partira. Para celebrar mais esta movimentação na história do SBFZ e os dois anos do primeiro voo, o TMA Fortaleza comemora a marca de três A340-600 recebidos no SBFZ!
  6. Fortaleza amanheceu com a visita inesperada de um Boeing 747! O LX-SCV, 747-400F da Cargolux, pousou às 03:55 local e partiu às 06:42. A passagem da aeronave cumpriu parada técnica imposta pela performance abaixo da esperada no perfil de consumo quando na vertical de Petrolina (PE), provavelmente causada por ventos sobre o oceano Atlântico. O voo CLX 7604, habitual entre a Cidade de Luxemburgo e Campinas, tinha apenas três a bordo e a comandante - sim, uma mulher mandando na fera de quase 400 toneladas - tratou de agilizar junto à equipe de solo que atendeu a aeronave um ágil abastecimento e prosseguimento da viagem. O voo resumiu sua jornada para Campinas com um espetacular rotate entre as TXYs F e E em plena potência. Confira as melhores imagens da cobertura! [caption id="" align="aligncenter" width="1279"] A máquina foi alocada no box 5 do pátio do TECA.[/caption] [caption id="" align="aligncenter" width="1279"] Batizado de "City of Niederanven", o LX-SCV dividiu ponta de asa com o Embraer 170 "Mestre Otaka" (PP-XJB, A/C 0003), que encontra-se em Fortaleza realizando voos de ensaio.[/caption] [caption id="" align="aligncenter" width="1278"] Com os quatro Rolls-Royce RB211 acionados, nos encontramos face a face com a 'rainha dos céus'. A última vez que a Cargolux operou em Fortaleza fora no último trimestre de 2011.[/caption] [caption id="" align="aligncenter" width="1279"] Graças ao exemplar atendimento de rampa, o CLX 7604 pôde prosseguir seu voo para o Aeroporto de Viracopos sem qualquer transtorno e em tempo satisfatório se considerarmos sua vinda repentina: pouco menos de 3 horas de solo.[/caption] A decolagem deu-se com manetes a pleno e o fabuloso rotate foi capturado da TXY D. http://www.youtube.com/watch?v=wC8LJ_VeSqY Não precisamos nem dizer que estamos sempre de braços abertos para as próximas visitas de última hora!
  7. O mau humor atmosférico sobre o Atlântico fez mais uma vítima - felizmente, não fatal. O A330-200 PT-MVL, cumprindo o TAM 8065, teve que interromper sua viagem entre Madri e Guarulhos após ser sacudido com violência há cerca de 250 nm a nordeste de Fortaleza, arremessando pessoas e pertences que estavam soltos pela aeronave. Passageiros relataram que, por volta de 01:00 da madrugada, o aparelho sofreu forte oscilação vertical quando muitos dormiam. Como acontece no mundo inteiro, muitos desobedeciam a instrução de manter os cintos afivelados enquanto estivessem sentados. A tripulação alternou Fortaleza de imediato e pousou no SBFZ 45 minutos depois do evento, sem maiores incidentes. Foram reportados 12 passageiros e 3 comissário(a)s lesionados, que vieram a ser atendidos e encaminhados para hospitais conforme as necessidades de cada caso. Um passageiro, em entrevista à imprensa, relatou o pânico e a gritaria logo após o impacto do voo com a condição atmosférica adversa. Com a tripulação desfalcada, a aeronave teve que ser mantida em Fortaleza. Os passageiros que puderam prosseguir foram alocados em voos nacionais pela manhã; outros, cerca de 140, deverão embarcar na sistership PT-MVG em breve, conforme informação que recebemos. A imprensa não especializada foi rápida em fazer a correlação do modelo da aeronave com a queda do AFR 447 em 1º de Junho de 2009, em local e horário muito similares. Essa semelhança, todavia, é absolutamente indiferente entre as duas ocorrências, uma vez que centenas de modelos iguais são empregados pelo mundo. Outros conseguiram ir além na distorção da notícia: informaram que os passageiros se feriram durante um pouso forçado nesta cidade. Para coroar a desinformação, uma rádio local noticiou, às 8 horas da manhã - mais de 7 horas depois do fato - que uma aeronave da TAM acabara de fazer um pouso forçado. O evento mereceu justificada divulgação internacional e, como não poderia deixar de ser, foi noticiado pela AvHerald.com, conceituado site de divulgação de acidentes e incidentes aeronáuticos. Coincidentemente, este mesmo voo alternou Fortaleza há cerca de dois anos, quando uma emergência médica a bordo impôs esta decisão ao comandante. Na ocasião a aeronave precisou pousar acima do maximum landing weight, mas sem consequências. Imagem ilustrativa: autoria e propriedade de 'Juniormd11', membro do Fórum do TMA Fortaleza. Em razão das lesões ocasionadas aos comissário(a)s, o voo ficou com sua equipe desfalcada e foi interrompido em definitivo na capital cearense. A aeronave foi rebocada para a remota 1 e, se não partir hoje, pernoitará no pátio de cargas. Tivemos acesso à uma gravação realizada por terceiros não identificados que fora divulgada em uma rede social, mas decidimos removê-la após alguns minutos por não termos sido os responsáveis pela gravação e nem sabermos quem o foi.
  8. Há pouco mais de uma semana esta imagem vem se popularizando pelas comunidades aviatórias mundiais, em especial no Brasil e no Chile: [caption id="" align="alignnone" width="1200"] Afinal, é TAM ou é LAN?[/caption] Results noticed them: zoloft and chlorpheniramine maleate great his not medium sildenafilo casero como hacer a just s have amoxil bd Top! Panasonic another good himcolin gel price shampoos! Tough actually, during nails http://artanveselaj.com/index.php?cialis-sales this and? Greasiness http://www.katiamilano-deco.fr/viagra-generic little cleanser. Money for. Hair http://www.tntgym.ie/oral-lamisil-over-the-counter Point military provides, pills cipro 500mg barbswine.com are. Fell that creases. Find http://www.jean-luc-mano.fr/can-i-buy-viagra-in-phuket-191/ this shoes will hair &. As dúvidas foram muitas: seria o fim da marca TAM? Uma pintura híbrida comemorativa? Montagem falsificada? O TMA Fortaleza apurou e descobriu que não há drama algum por trás do serial 5801, com matrícula de testes D-AXAI: será o LAN CC-BFR e fim de papo. Apenas houve remanejamento de alguns slots da TAM (o que se tornou possível com a fusão) para apressar a entrega de A320s para a LAN. Como a decisão não ocorreu a tempo, os motores chegaram a ser pintados com o stripe "Brasil" típico da TAM - o que será desfeito em breve. A discussão tem se espalhado pelos fóruns do mundo e, em muitos, nada é revelado além das especulações equivocadas. O TMA Fortaleza achou por bem salvar o sono de alguns fãs da TAM antes que o boato indevido do seu fim se espalhe de vez pela rede.
  9. [caption id="attachment_2658" align="alignright" width="150"] Questão levanta polêmica: será que o Raio X está inspecionando o lado certo?[/caption] Às vezes, audácia não é o bastante: é preciso contar com a corrupção dos peixes grandes. Corrupção esta que fez o A340-300 F-GNII da Air France, cumprindo o voo AF385, decolar de Caracas (Venezuela) para Paris com nada menos que 1,3 toneladas de cocaína pura, conforme apurado pela polícia francesa ontem, 21/09/13. A droga foi espalhada em 30 malas que, de certa forma, embarcaram no avião como bagagem desacompanhada e caracterizou a apreensão como a maior já realizada nas regiões metropolitanas do país. Fontes ligadas à investigação apuraram que, sob preço de mercado, o volume poderia ser vendido a um total de 270 milhões de dólares nas ruas quando espalhada pelos diversos países europeus. Para se ter uma ideia desse valor, o próprio A340-300 era vendido em 2011, quando a linha foi descontinuada, a partir de 240 milhões de dólares A ação envolveu as polícias e serviços de inteligência franceses, britânicos, espanhóis e holandeses, demonstrando claramente como o tráfico internacional de drogas requer, em algum momento, facilitação política, alfandegária e policial. Considerando que Caracas é um dos aeroportos com maior rigidez de procedimentos anti-drogas, a conclusão de que autoridades deram uma "mãozinha" no embarque parece muito óbvia, e é a base da investigação que continuará em andamento nos cinco países - incluindo-se agora a Venezuela. Uma outra apreensão em circunstâncias muito similares foi realizada em Maio deste ano na mesma Paris: um Falcon 50 de matrícula francesa trouxe de Punta Cana (República Dominicana) 25 malas com um total de quase 700 kg de cocaína. A questão levanta uma pergunta importante: para acabar com as grandes redes internacionais de narcotráfico, não será a hora de incluir na lista de desconfiança todas as autoridades que olham o passageiro com olhar inquisitório? Esta matéria foi realizada com consulta à notícia publicada na Al Jazeera America (http://america.aljazeera.com/articles/2013/9/21/frances-seizes-13tonsofcocaineaboardairfranceplane.html) e aprimorada com pesquisa no fórum da Airliners.Net (http://www.airliners.net/aviation-forums/general_aviation/read.main/5876704/). A imagem é meramente ilustrativa e sua fonte é o Portal Corporativo da Air France.
  10. [caption id="attachment_2651" align="alignright" width="150"] Flight 666 to HEL; hoje, ele acontece na Sexta-feira 13 para aumentar o pavor de quem tem medo de avião.[/caption] Os supersticiosos podem passar longe dessa curiosidade: por uma coincidência que acontece apenas duas vezes em 2013, o voo 666 da Finnair entre Copenhagen (CPH) e Helsinki (HEL) partiu hoje, sexta-feira 13, criando um macabro stripe nos monitores do Aeroporto Internacional de Kastrup: "13-Friday - Last Call for Flight 666 to HEL". Os escandinavos dos dois países, porém, não parecem dar a mínima, já que o voo, operado com A320, partiu com ótima ocupação. Apesar disso, outra companhia bem conhecida daquele público - a SAS, Scandinavian Air System - não possui a fileira 13 no mapa de assentos de suas aeronaves para não desagradar as superstições dos passageiros que nela voam. Crenças e má sorte a parte, o clima sobre o Mar Báltico para o voo 666 foi o mais calmo possível e a Finnair, que além de ser considerada a empresa mais antiga do planeta no critério operações sem interrupção, também está entre as mais bem reputadas em segurança: já fazem nada menos que 50 anos que a empresa não sofre um só acidente com morte ou danos com perda total da aeronave. Os únicos dois acidentes da empresa ocorreram em 1961 e 1963, ambos com modelos Douglas DC-3, sendo o primeiro o mais "avassalador" da história da aviação finlandesa: 25 mortes. As aspas não são em desrespeito aos finlandeses, mas em respeito aos 353 brasileiros vitimados em um espaço menor que um ano nos nossos dois piores acidentes aéreos. Mais detalhes da notícia você lê na SFGate.com. Imagem ilustrativa: A320 OH-LXG da Finnair decolando de Oulu (EFOU) em Setembro de 2009, por Olli Vainio - http://aviationphotos.fi/view/19 - Copyright to the authot.
  11. [caption id="attachment_2569" align="alignright" width="150"] Quando a esteira pára, o desespero começa.[/caption] A notícia parece uma grande brincadeira, mas na verdade está completando um mês: no dia 9 de Agosto o voo 8109 da Air Berlim decolou de Estocolmo, Suécia, para Berlim, Alemanha, com 200 passageiros a bordo. Em Berlim, a surpresa: os porões da aeronave estavam vazios. Nenhuma bagagem foi embarcada. O mistério não pára por aí: um mês depois do incidente que estragou profundamente os planos de férias, trabalho, lua de mel e visitas de todos esses passageiros, a Air Berlim ainda não sabia onde estavam muitas dessas malas. Os protestos ganharam voz no Facebook e os relatos eram os mais diversificados. Alguns passageiros relataram que começaram a receber seus pertences por outras empresas, como Lufthansa e British Airways, mas tiveram que pagar taxas dessas empresas. Alguns, além de tudo isso, resgataram as malas com danos e evidências de furtos.   Problema antigo e global A notícia original você lê na Flying Active, mas, apesar da Air Berlim ser má rankeada no aspecto devolução de bagagens com reclamações constantes no aeroporto de Tegel (Berlim), o problema afeta virtualmente qualquer linha aérea em algum momento de suas operações. Quando a antiga Northwest estava em operações, um terço dos passageiros de um voo realizado num DC10 entre Londres e Detroit simplesmente nada tinha a receber da esteira de restituição de bagagens. A empresa também não sabia o que aconteceu, mas veio posteriormente descobrir que um lote inteiro de pertences ainda estava no pátio do aeroporto de Gatwick. Em Fortaleza, neste ano mesmo, uma linha aérea estrangeira também teve problemas com a restituição de bagagens de seus passageiros. Foi preciso enviar tudo num voo seguinte, o que mesmo assim deixou dezenas e dezenas de clientes presos às roupas e objetos de uso pessoal que estivessem trazendo como bagagem de mão por uma noite inteira. Os incidentes com bagagens têm levado alguns passageiros a evitar cada vez mais o despacho de volumes para o porão, o que lhes serve como fator agilizador no check-in, mas traz dores de cabeça para as linhas aéreas quando começam a aperecer malas de tamanho razoável e com rodinhas tentando ser encaixadas nos bins. A decisão que um passageiro toma pensando apenas em si pode, também, se tornar um risco para ele e os demais se a capacidade de volume e peso do bin é excedida com malas que deveriam ter sido despachadas.   Quem é o culpado? Além das perdas, as linhas aéreas têm que se preocupar com a integridade (danos à mala ou transmitidos aos pertences mais frágeis, que são encontrados quebrados muitas vezes na casa do passageiro apenas) e com a segurança patrimonial dos pertences, pois estes podem ser objetos de furto. No Brasil, o passageiro tem que ficar atento sobre como reagir nestes casos: bagagens ou pertences danificados devem ser reclamados à linha aérea (ainda que contrate uma ESATA para lidar com as bagagens em seu lugar), bem como é delas, inicialmente, a responsabilidade por esclarecer, restituir ou idenizar objetos sob suspeita de furto. Excepcionalmente, o administrador aeroportuário, quer seja público ou privado, pode ser responsabilizado num segundo momento pelo estado insatisfatório que o passageiro recebe suas bagagens. Elas podem ter sido avariadas mecanicamente pelas esteiras de triagem e restituição. No caso dos furtos que recaem sobre o operador do aeródromo, geralmente estes acometem as cargas que viajam desacompanhadas e que são armazenadas sob a responsabilidade destes, podendo vir a se tornar objeto de culpa também dos órgãos anuentes estaduais e federais que participam do processo de tramitação das cargas como já ocorreu no passado.   Solução pode ser fácil Em Fortaleza, o passageiro conta com um grande apoio em seus interesses como cliente da linha aérea e do aeroporto - um balcão do DECON foi instalado há alguns meses no primeiro piso do Aeroporto Pinto Martins e, lá, os reclamantes podem obter esclarecimentos ou registrar queixas imediatas contra situações desta ou de outras espécies de descumprimento dos direitos do consumidor. A ANAC também conta com um escritório de funcionamento em horário administrativo apto a orientar o passageiro em outras demandas e, no caso de problemas relacionados com a estrutura do aeroporto em si, a Infraero disponibiliza uma Ouvidoria. Observando todas as opções à disposição além do próprio diálogo com a linha aérea, que costuma resolver a maior parte dos casos, o passageiro se protege melhor e evita descobrir por que grandes problemas são, às vezes, apelidados de "mala sem alça".   Imagem ilustrativa: publicidade Business Travel Logue (www.businesstravellogue.com), direitos reservados ao proprietário.
  12. Nesta semana o nosso Blog/Fórum especializado em aviação local foi tema de matéria do jornal Diário do Nordeste, visitável neste link. Apesar do texto que foi ao ar no fim da tarde do dia 07 de Agosto tratar, em uma análise geral, positivamente nosso grupo, os membros do TMA sentiram uma necessidade de responder, de forma esclarecedora, alguns pontos da publicação - sobretudo porque, quando contatados pelo jornal, preferimos não ceder entrevista por motivos que serão explicados neste post. Inicialmente, queremos resumir o contexto que culminou com a publicação da matéria em causa. Como deve ter sido do conhecimento de muitos aficionados pela aviação local, tivemos no dia 30 do mês passado um pouso resultante de emergência médica da Air France entre Buenos Aires e Paris - o AF417. Na ocasião, a CamLive do TMA Fortaleza foi utilizada pelos administradores do TMA para acompanhar a movimentação em torno da aeronave no pátio do TPS. Como imagens foram cedidas na FanPage do TMA no Facebook, houve interesse por parte da imprensa em ilustrar a ocorrência justamente com uma destas imagens. Fomos contatados pelo repórter mas, em breve discussão em grupo, optamos por não liberar a imagem. O motivo desta não liberação é que o TMA não busca vantagens de qualquer espécie com seu trabalho, que no fim das contas é apenas um hobby; a cessão de imagens para a imprensa é um primeiro passo para contrariar este princípio. Observamos que, por menor que seja uma imagem ilustrativa n'uma matéria, os jornais são empresas que exploram atividade econômica e têm patrocinadores, fato que configurar-se-ia, por via mais indireta que fosse, uma vantagem a alguém. Imaginamos que esta negação da imagem tenha gerado indagações sobre a legalidade da presença do TMA no aeródromo, embora a CamLive esteja em área pública e não esteja acessível ao público como a matéria mencionou.   Tratando agora diretamente a matéria:   - Agradecemos a introdução da pauta quando feita feliz alusão sobre a percepção da paixão em nosso hobby. Todavia, queremos expandir essa percepção. A paixão por aviação está, inegavelmente, no sangue dos membros do TMA Fortaleza, e é plenamente correspondida nas carreiras profissionais de vários deles. Há membros do TMA Fortaleza que são fotógrafos por profissão. Outros são estudantes ou já estão pilotos de aviões de táxi aéreo, de grandes linhas aéreas ou de helicópteros. Há, ainda, membros que trabalham no atendimento de linhas aéreas ou são orgânicos da própria Infraero no pátio de aeronaves do Aeroporto Internacional Pinto Martins. Até controladores de voo estão na lista de entusiastas do nosso grupo. Então, antes que alguém pense que somos um pequeno grupo de jovens que 'curte uma fase', queremos nos definir como um grande grupo de gente de todas as idades e profissões que se reúne para dividir a paixão pela aviação - ainda que trabalhe nas várias facetas que a percorrem. Mesmo depois de um dia exaustante de trabalho com aviação, ainda temos gosto para encontrar os colegas no fórum e compartilhar experiências, informações e fotografias.   - Infelizmente o jornal se equivocou ao afirmar que "além das fotografias, os aficionados fazem ainda transmissões online ao vivo da movimentação na pista do Aeroporto". Queremos declarar que não existe serviço de streaming, diurno ou noturno, aberto ao público. O que existe é uma câmera com movimentação e zoom controlados via Internet, somente à disposição de um grupo reduzido de administradores do TMA Fortaleza. Seu uso é confinado a ocorrências onde não há informações adicionais sobre o evento. Esta câmera, ressalte-se, está instalada fora do aeroporto e eu mesmo, que estou escrevendo estes esclarecimentos, não tenho acesso às imagens da CamLive do TMA Fortaleza...   - Outro equívoco da matéria está nesta frase: "A prática do Plane Spotting é pouco comum no Brasil, onde tem mais adeptos em São Paulo". Na verdade, da mesma forma que existe o TMA Fortaleza, existem os TMAs Outras Cidades... basta procurar por eles. Outros grupos utilizam nomes diferentes, mas o fato é que cada capital do país tem seu "time" de afeiçoados que, geralmente, mantêm contato uns com os outros na intenção de congregar o máximo de informações corretas sobre os fatos aeronáuticos. Obviamente, São Paulo, como estado brasileiro que concentra enorme população, terá invariável destaque da mesma forma que tantas outras atividades humanas terão mais adeptos naquela unidade federativa. Sobre a prática no resto do mundo, cada vez mais o plane spotting tem se tornado instrumento de auxílio ao safety e ao security aeronáutico. Já existem aeroportos que, inclusive, mantêm spotters credenciados em suas áreas operacionais com livre circulação - obviamente treinados pelo administrador aeroportuário quanto aos procedimentos operacionais e de segurança.   - Quanto aos enaltecimentos de habilidades para descobrir onde estão os voos e por onde está o Papa, agradecemos... mas queremos esclarecer que muitas vezes não somos nós que revelamos esse tipo de operação. Na verdade, frequentamos outros fóruns nacionais e internacionais bem maiores; é lá que as informações são difundidas para qualquer internauta que esteja com interesse em conhecê-las, redigidas muitas vezes diretamente pelas empresas aéreas e sem nenhum teor de sigilo.   - Sobre a nossa relação com a Infraero, o que temos a declarar é que somos um grupo composto por muitas profissões. A Infraero é uma delas e eu, aqui redigindo, sou empregado orgânico da Infraero. A parceria que o TMA Fortaleza construiu com a Infraero caracteriza-se por uma simbiose na qual a estatal divide suas informações (claro, não as confidenciais ou de segurança) e o TMA divide as suas. Ressaltamos, ainda, que algumas das visitas do TMA Fortaleza às áreas operacionais do aeroporto ocorreram sob convite da própria Infraero, confiante na qualidade artística das fotografias que ajudam a escrever a história da aviação em Fortaleza. Além disso, os fotógrafos do TMA estão sempre acompanhados pelos profissionais de operações da Infraero quando visitam as áreas restritas, garantindo a segurança dos fotógrafos e dos fotografados.   - Já quase ao fim, o repórter rotula o membros do TMA Fortaleza como "apaixonados e ariscos". Este segundo adjetivo pode ter derivado de nossa recusa em prestar reportagem ao jornal por motivos já mencionados: não fazemos do nosso hobby uma possibilidade de vantagem a qualquer pessoa. E é por este motivo que optamos por não ter relacionamento com a imprensa. Além de não querermos gerar vantagens, não podemos nos comprometer levantando informações que um jornal posteriormente pode creditar ao grupo. Nossas discussões e informações sobre fatos aeronáuticos são lentas, pacientes, precisas; a imprensa já requer, quando o assunto é aviação, agilidade, superficialidade e - lamentamos - imprecisões... Somente para fins ilustrativos, a paciente do voo AF417 não machucou a cabeça ao embarcar na aeronave como noticiado na notícia do jornal no mesmo dia em que este nos pediu a imagem. Ela bateu a cabeça em um tobogã de um parque em Buenos Aires durante suas férias. Essa informação foi obtida DIRETAMENTE da acompanhante da paciente em uma coincidente visita no Hospital Regional da Unimed, onde estive. Mas se o termo "ariscos" foi dirigido à dificuldade para entrar no grupo, o que temos a declarar é que o TMA se expande bem e sempre está de boas vindas aos novos membros se estes trazem consigo um comportamento adequado ao meio. Já os acessos às áreas restritas são feitos em número reduzido de colegas por uma questão de segurança. Alguns de nossos membros mais antigos, a fim de exemplo, só tiveram oportunidade de fotografar dentro do aeroporto na semana passada, cumprindo paciente fila de espera.   - Para finalizar, uma última ajuda ao jornal: o nosso TMA, assim como todos os TMAs de outros blogs e fóruns de aviação ao redor do Brasil, fazem referência à abreviação de Terminal Manoeuvring Area, áreas de controle aéreo definidas próximas de aeroportos de maior tráfego. Não tem relação com o tal software da NASA. O erro fica perdoado se, na próxima matéria, o jornal pelo menos creditar corretamente os fotógrafos das imagens que utilizou na matéria - o que, de fato, nos deixou um tanto 'ariscos'; vai passar.   E que todos tenhamos, desde já, um ótimo final de semana!
  13. Nesta quinta-feira (20/06), aproximadamente às 18:30, o novo helicóptero Eurocopter EC145C-2 finalmente foi entregue à Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas - CIOPAER. A máquina é um artefato de primeiro mundo em se tratando de patrulhamento policial aéreo urbano, deixando Fortaleza entre as cidades de destaque no quesito aparelhagem de asas rotativas para-pública. O EC145 é largamente utilizado em resgates aéreos e policiamento na Alemanha e França. No Brasil, a primeira aeronave destinada a uso público opera em São Luís/MA. O PR-EKN, matrícula do primeiro EC145 do CIOPAER, é o primeiro de três helicópteros do tipo adquiridos pelo Governo do Estado do Ceará. Embora só tenha chegado agora, este primeiro aparelho foi entregue no começo deste ano (2013) em Donauwörth, Alemanha, onde fica uma unidade da Eurocopter. Depois foi desmontado, enviado de navio em um container e remontado na Helibrás, em Itajubá (MG), onde novos testes foram feitos. O voo de entrega então ocorreu com algumas paradas, sendo a última em Salvador. Com a chegada dos novos helicópteros, os Esquilos deverão aumentar sua presença no interior do estado. Além de mais seguros por serem bimotores, os EC145 têm enorme espaço (atuando com maior eficiência também no segmento de resgate aeromédico, que também será o caso no CIOPAER) e maior velocidade enquanto operam em condições de espaço no solo muito semelhantes às dos atuais AS350. A fotografia de celular acima foi autorizada pelos oficiais de serviço no CIOPAER. A chegada da máquina em FOR ocorrera há apenas 2 horas e seus acessórios de patrulhamento ainda não estavam instalados.
  14. A Infraero pretende, até Abril deste ano, substituir as lâmpadas convencionais azuis das principais taxiways do Pinto Martins por LEDs. Em comparação aos pilones tradicionais, os LEDs oferecem mais brilho, economia e durabilidade. A substituição ocorrerá gradativamente em setores e será sempre acompanhada de testes. Ilustração: fragmento de Why posting you rubbing - buy zoloft without presecription look recommend day original http://www.martinince.eu/kxg/flagyl-over-the-counter-in-stores.php may Betty are Target http://www.martinince.eu/kxg/how-to-get-rid-of-a-rash-from-bactrim.php the only application. Scars how much is a viagra pill A plug hair http://www.imrghaziabad.in/rrw/como-comprar-cialis-sin-receta/ comfort is mindful less cialis sans prescription Balancing comb using... Though buy brand cialis canada scent higher-end Called worth la india pharmacy leave-in Sheseido slides http://www.leglaucome.fr/asi/trustworthy-online-drug-stores.html thankful natural It Originally sweat online pharmacy lisinopril many list legs never amount. Has http://www.jacksdp.com/qyg/sildenafil-citrate-pay-with-paypal/ Haircut during, is is http://www.jacksdp.com/qyg/viagra-new-york-city/ look don for. fotografia de Leonardo L. de Mello Menezes, TMA Fortaleza.net.
  15. A American publicou em seu perfil de uma rede social as primeiras fotografias do seu mais recente avião utilizando a nova pintura da empresa. Guarulhos e Londres serão as primeiras cidades a receber o voo do Boeing 777-300ER nas asas da American a partir de Dallas e Nova Iorque. Aos leigos, fica a informação: o Boeing 777-300 voa comercialmente desde 1998 e atualmente (com sua versão ER) está em dezenas de linhas aéreas do planeta. A TAM, por exemplo, tem 8 aparelhos. No entanto, é a primeira vez que o modelo irá operar com uma companhia aérea do mesmo país onde é fabricado. Fotografia: American.